Como ter o melhor conforto térmico no pergolado

conforto térmico

Sabia que vários fatores podem influenciar no conforto térmico do pergolado? Descubra quais são e conheça as soluções para ter um clima perfeito na área externa!

A área de lazer deve ser a menina dos olhos da casa, aquela área onde todas as preocupações desaparecem e o sol brilha mais forte só para você. Só que é aqui que entra uma questão muito importante: o conforto térmico do pergolado.

Então imagine ter aquela estrutura perfeita, belíssima, que deixa tudo mais bonito e sofisticado e não poder usar porque esquenta demais?

Na verdade, esse é um assunto mais complicado do que parece e é especialmente importante quando o pergolado vai servir como um ambiente da casa, ou seja, como uma área gourmet, varanda ou ambiente de estar, por exemplo.

Há vários fatores e detalhes que devem ser levados em consideração na hora da obra – e soluções que devem ser tomadas para reparar os problemas. Só que não é todo construtor que se preocupa com isso.

Aí é até comum o pergolado não poder ser usado durante o dia, por exemplo, porque o ambiente fica quente demais. Já pensou ter um pergolado que só poder ser usado à noite ou no inverno? Para se ter uma ideia, há casos em que o morador até precisa jogar água na cobertura para tentar resfriar o ambiente.

Sim, é complicado, mas não precisa ser, veja algumas dicas para evitar esse problema e como resolvê-los quando não podem ser evitados!

 

Conforto térmico, um assunto bastante delicado

Ninguém imagina construir um pergolado e depois não aguentar o calor lá dentro. Mas isso não deve ser mesmo uma preocupação sua, mas sim de quem vai construir a estrutura.

No entanto, é sempre bom ficar a par do que pode ser feito para evitar problemas como esse – até para não cair na lábia de um construtor qualquer.

Então lembre-se, o que pode parecer uma economia hoje provavelmente será um gasto muito maior e um arrependimento profundo um pouco mais adiante.

Tudo é um bom planejamento, que deve partir da empresa responsável para evitar que o consumidor precise ficar fazendo remendo e gastando mais dinheiro depois do pergolado pronto.

O primeiro passo, então, é compreender que um conforto térmico depende, basicamente, de 5 aspectos básicos. Como é bastante difícil que apareçam ao mesmo tempo em um mesmo projeto, é preciso criar prioridades entre eles, determinando quais são os mais importantes e de quais deve-se abrir mão:

  1. Altura do pé direito
  2. Circulação de ar
  3. Entrada de calor pela cobertura
  4. Entrada de calor pelas laterais
  5. Fontes de calor internas (churrasqueira, fogão a lenha, etc)

 

1 – Altura do projeto

conforto térmico

O primeiro aspecto relevante é a altura do pé direito, já que o ar quente é mais leve que o ar frio, subindo e se distanciando das pessoas. Não é o que acontece quando o pé direito é baixo: o ar quente vai ficar mais perto da cabeça, aumentando a sensação de calor.

Por isso, um pergolado mais alto pode aumentar o conforto térmico, a menos que as laterais fiquem muito amplas e o calor entre por elas. Então é necessário haver um estudo para que a estrutura fique equilibrada.

Além disso é preciso considerar que um pergolado é diferente de um quiosque ou de um telhado, que têm a cobertura e a estrutura muito inclinada. Com isso, a cumeeira acaba formando um bolsão de ar na parte superior – o que não acontece com o pergolado, já que a cobertura é reta.

 

2 – Circulação de ar

conforto térmico

Em segundo lugar vem a circulação de ar, já que sem haver renovação, o ar quente fica confinado. Por isso é importante que o pergolado seja aberto, tenha ventilador ou aberturas suficientes para haver essa troca de ar.

Isso, é claro, quando não tiver ar-condicionado ou quando o aparelho estiver desligado.

 

3 – Entrada de calor pela cobertura

conforto térmico

O terceiro ponto é a entrada de calor pela cobertura, que precisa ser barrada de alguma forma. Ao contrário do que muita gente pensa, vidro e policarbonato têm péssima eficiência térmica.

Estes produtos praticamente funcionam como uma lupa, transformando o local em uma verdadeira estufa. A solução, então, é evitar os dois materiais – ou colocar uma película protetora, o famoso Insulfim.

Para evitar a cobertura de vidro e policarbonato, a melhor solução é usar telha térmica, como a telha sanduíche ou a Pergotelha.

A vantagem da Pergotelha é que ela continua oferecendo a transparência desejada, deixando a iluminação natural passar, mas protege do calor porque já vem com o Insulfilm da Dupont que bloqueia até 90% da passagem de calor.

Em todo caso, o ideal é ainda revestir a cobertura, seja ela qual for, com forro de palha ou de bambu, que também oferecem conforto térmico.

 

Como funcionam as telhas térmicas

conforto térmico

No entanto, mesmo com essas estratégias, simplesmente há dias e épocas do ano que o calor é excessivo. O próprio ar está quente demais, seja em uma casa com laje e forro, seja em um apartamento, na varanda, no pergolado, seja onde for.

Por isso é preciso que lançar mão de outras soluções, como o ar-condicionado, no pergolado fechado com vidro, e o ventilador de teto.

Entretanto, um ponto muito importante é entender o funcionamento dessas coberturas térmicas. Esses produtos não deixam passar o calor, mas é claro que não funcionam resfriando o ar, como um ar-condicionado, por exemplo.

A Pergotelha bloqueia até 90% da passagem do calor. Falando assim, parece que em um dia com temperatura de 30ºC, o ambiente interno ficaria com apenas 3 graus, que seriam os 10% restante.

Mas não é bem assim. Na verdade, esses 3ºC são o que passam para o ambiente interno através da Pergotelha, mas ainda há a temperatura interna do espaço, trocando calor com o ambiente ao redor, já que a estrutura é aberta.

É aí que entram as outras soluções no projeto do pergolado para tentar reduzir ainda mais esses 3ºC através da circulação de ar, estudando a altura da estrutura, o local de instalação, etc.

Mesmo assim, em dias em que o ar está muito quente, o uso de formas mecânicas de resfriamento, como o ventilador de teto ou o ar-condicionado, é inevitável.

 

4 – Entrada de sol pelas laterais

conforto térmico

O quarto ponto é a entrada de sol pelas laterais, o que é comum acontecer e levar um pouco mais de calor para o ambiente interno. Inclusive, na maioria das vezes, não há como evitar, apenas tentar minimizar. Nesse caso há algumas estratégias para reduzir a entrada de calor pelas laterais do pergolado.

A primeira é analisar a forma como o sol se comporta no ambiente durante o dia, procurando prever o tamanho que o pergolado deve ter para que o sol não atrapalhe.

Assim, a ideia é fazer o pergolado um pouco maior, de forma que a sombra da própria estrutura corresponda exatamente ao local de estar, ao ambiente funcional.

Outra forma é usar toldo ou tela solar retrátil, que interferem bem pouco na estética e são eficientes para quebrar a entrada de sol nas horas de maior incidência.

Já nos ambientes com fechamento em vidro, é possível também usar a película de Insulfilm transparente no vidro, em conjunto ou não com persiana ou tela solar.

 

Excessões

Porém sempre há exceções, como quando o pergolado é construído para fazer sombra em um outro ambiente da casa. Nesse caso a função do pergolado é fazer uma barreia para que o sol não chegue a esse ambiente que precisa que ser usado em determinado horário.

Isso não significa que será impossível usar o pergolado porque ele será atingido em cheio pelo sol. Muito pelo contrário.

Como o sol gira no céu de acordo com o passar do tempo, a casa acaba ganhando uma área útil em outras horas do dia, quando ele ficar na sombra. Isso sem falar, é claro, que se torna um ambiente útil também à noite, ampliando sua área de estar ou de lazer.

 

5 – Fontes de calor

conforto térmico

O quinto aspecto são as fontes de calor internas, como churrasqueira, fogão à lenha, forno de pizza, etc. Todas influenciam diretamente no conforto térmico do pergolado, por isso é muito importante estudar bem o local onde serão instaladas de forma a gerarem o mínimo possível de calor no restante do local.

Em relação à churrasqueira, por exemplo, o ideal é colocá-la em alguma das extremidades do pergolado, onde a circulação de ar é maior.

Agora que você já conhece os fatores que influenciam no conforto térmico do pergolado já sabe no que prestar atenção na hora do projeto.

 

Aproveite e descubra as 8 perguntas mais comuns sobre churrasqueira e confira várias ideias geniais para a sua área de lazer pelo Instagram da Cobrire!

Compartilhe:

Posts Recentes

Solicite já um Orçamento