Cobertura de policarbonato: será que vale a pena?

Cobertura de policarbonato: será que vale a pena?

Dúvidas sobre a cobertura de policarbonato para o pergolado? Veja tudo o que você deve saber sobre o assunto agora!

Ter um pergolado de madeira na área de lazer é um verdadeiro sonho. A casa fica mais bonita, valorizada, e você ganha um espaço cheio de charme e sofisticação para aproveitar com a família e os amigos. Mas antes de se decidir pelo modelo, muita gente entra em uma verdadeira furada sem saber ao optar pela cobertura de policarbonato. Mas será que vale mesmo à pena?

Transparente, leve e barata, a cobertura de policarbonato para pergolado de madeira parece ser perfeita para praticamente todos os casos. A questão é que ela tem certas particularidades que os vendedores não costumam dizer na hora da compra.

Por isso, é muito importante que você tenha todas as informações possíveis sobre o assunto antes de se decidir ou não pela cobertura de policarbonato.

Veja agora tudo o que você precisa saber para ter uma tomada de decisão consciente e aproveitar ao máximo a sua compra!

 

Cobertura de policarbonato é a mais popular

A cobertura de policarbonato para pergolado de madeira é a mais popular – e não é à toa. De longe ela é a mais barata do mercado, sendo bem acessível.

Por outro lado, como é e leve, não impacta o peso da estrutura, o que é interessante. E, sendo transparente, deixa a luminosidade passar, encharcando o ambiente de luz natural.

Há 2 tipos de policarbonatos usados em pergolado: o compacto e o alveolar, também chamado de Twall.

O compacto é produzido a partir de polímeros de carbono, sendo bastante resistente a impactos. A aparência é parecida com à de um vidro liso.

Já o policarbonato alveolar é uma chapa com cavidades ocas. Isso faz com que a aparência fique como a de um vidro canelado e, como leva bem menos material, fica mais leve, mas também menos resistente do o compacto.

A cobertura de policarbonato é mais recomendada em áreas internas da casa, que ficam mais escondidas, como área de serviço e lavanderia. O material também vai bem em pergolados muito pequenos.

policarbonato

 

Policarbonato e vidro: qual dura mais?

Para escolher a cobertura do pergolado de madeira, a primeira dica é pensar na durabilidade do material. Afinal, ninguém quer ficar trocando o teto da estrutura toda hora: não é prático, não é barato e não é esse o objetivo.

Em relação ao vidro, o policarbonato tem a vida muito mais curta, por isso o vidro costuma ser indicado. A menos que quebre por algum motivo, como um objeto jogado de um andar superior, por exemplo, costuma-se dizer que o vidro dura a vida toda.

Por isso o policarbonato é mais indicado no caso de um pergolado de madeira em apartamento térreo, por exemplo. Afinal, nunca se sabe o que pode voar pela janela de alguém. Não custa nada prevenir.

A questão é que é muito difícil encontrar um vendedor que diga que o policarbonato só dura em média cinco anos. Como ninguém quer perder a venda, então o consumidor compra achando que não vai precisar trocar nunca – o que não é verdade.

O resultado é que em pouco tempo ele fica decepcionado com a compra e tem que trocar a cobertura.

Contudo, mesmo durante estes cinco anos há vários probleminhas que aparecem que também ninguém conta na hora da compra. É preciso fazer uma manutenção constante, que não é muito fácil de ser realizada e, muitas vezes, bem pouco eficaz.

policarbonato

 

Como é feita a manutenção da cobertura de policarbonato

Durante os cinco anos em média de vida do policarbonato, a cobertura não fica sempre bonita como nova. Muito pelo contrário, o material escurece muito facilmente.

A principal razão é a sujeira do dia a dia, aquela composta por poeira, terra trazida com o vento, poluição que vem com o ar e com a chuva, folhas caídas, cocô de passarinho e insetinhos mortos, fungos, e a própria umidade, que também ajuda a fazer estrago.

É nesse sentido que o policarbonato se assemelha bastante ao vidro: os problemas são bastante parecidos, assim como o escurecimento por causa dessa sujeira – que não sai fácil.

Tanto um quanto outro são bem complicados de limpar, até porque essa sujeira penetra nos poros do policarbonato alveolar e forma um tipo de mofo que escurece as chapas.

A manutenção é complicada até pela própria posição da cobertura, no alto e com as travas que criam obstáculos à limpeza. Por outro lado, como a sujeira penetra no material, cada vez ele vai ficando mais escurecido, rapidamente ganhando aparência de coisa velha.

Mesmo passando produtos caros, escovando e fazendo uma manutenção periódica, o policarbonato fica cada vez mais opaco.

policarbonato

 

Há alguma solução nesse caso?

Claro que tem solução, aliás, uma verdadeira tendência em questão de pergolados: a colocação de um forro de fibra natural, de palha ou de bambu.

O forro torna o ambiente mais sofisticado e pode ser encontrado em vários modelos de padrões e de tonalidades, personalizando ainda mais o pergolado.

Além disso, também deixa o ambiente mais agradável, porque a luz se torna difusa ao passar pela trama da fibra natural.

No forro de bambu, por exemplo, que tem o espaçamento mais largo, as sombras criadas se transformam no decorrer do dia, de acordo com o ângulo de incidência dos raios solares.

No entanto, apesar de ficar lindo, acaba significando um gasto a mais, e justamente para esconder a transparência do policarbonato.

policarbonato

 

Efeito lupa no policarbonato pode prejudicar o uso do pergolado

Esse é outro problema que é muito importante levar em conta: assim como o vidro, a cobertura de policarbonato também tem efeito lupa.

O efeito lupa é a potencialização dos raios solares sobre a placa de policarbonato. Ela funciona como uma lente de aumento, fazendo com que os raios solares ganhem mais força ao passar pelo material.

Com isso, a temperatura do ambiente abaixo da cobertura de policarbonato fica mais alta. Dependendo do lugar, da época do ano e da incidência de sol, pode tornar o local insuportável, prejudicando o uso em dias de sol ou muito calor.

Aqui, mais uma vez os forros de palha e de bambu costumam ser parte da solução. Como é composto por fibras naturais, o revestimento promove um certo conforto térmico, melhorando a temperatura ambiente.

Entretanto, nem sempre conseguem dar, sozinhos, conta do recado. Nesse caso é preciso de soluções combinadas, como a colocação de uma película protetora nas placas de policarbonato, aliada ao forro de palha ou de bambu.

É claro que isso significa mais um gasto, mas na maioria das vezes é a única forma de garantir a usabilidade do pergolado com cobertura de policarbonato.

Para se ter uma ideia, há estruturas que ficam tão quentes, que os moradores só conseguem usar o espaço quando o tempo está nublado, é de noite ou está no inverno.

Há até quem ainda tente jogar água com mangueira para ver se resfriar a cobertura e melhorar o ambiente interno, mas não é um expediente muito prático.

policarbonato

 

Chuva, vazamento e infiltrações: cuidados com o policarbonato

Esse também é um assunto delicado quando o assunto é a cobertura de policarbonato. Quando queremos colocar um pergolado de madeira no jardim ou na área de lazer, pensamos muito no efeito estético e no quanto ele vai valorizar e criar diferenciais para a casa.

É raro quem pensa que a cobertura de policarbonato, assim como a de vidro, é composta pela união de placas rígidas, que não acompanham a movimentação natural da madeira.

Toda madeira se movimenta com o passar do tempo, se acomoda – e isso já é levado em consideração no projeto do pergolado.

As placas, que forma a coberturas sendo colocadas lado a lado, não conseguem acompanhar esse movimento e começam a se descolar umas das outras. Com isso são abertas pequenas fissuras, brechas que geram infiltração, goteiras e vazamentos.

Por outro lado, o próprio efeito lupa também é responsável por reduzir a vida útil do silicone e das borrachas de fixação dessas placas, facilitando esse deslocamento.

policarbonato

 

Falta de canais impede o direcionamento da água da chuva

Outro problema do policarbonato é a que as placas, além de serem rígidas, assim como as de vidro também não têm canais.

Com isso, a água da chuva despenca com toda força na cobertura sem ser direcionada para lugar nenhum.

Ou seja, a água cai para qualquer lado, fazendo goteiras nos beirais e molhando boa parte do piso, despencando no chão e abrindo sulcos na terra, ou simplesmente sendo levadas pelo vento para qualquer direção.

policarbonato

 

Policarbonato oferece pouco conforto acústico

Esse é outro problema sério da cobertura de policarbonato para pergolado, a falta de conforto acústico.

Imagine a barulheira que a água faz ao cair com toda força sobre as placas de policarbonato. Apesar de a cobertura de vidro também ser composta por placas rígidas e retas, sem calhas, o barulho da chuva no policarbonato é muito maior.

O que acontece é que ao cair com força as placas vibram com a queda d’água, criando um efeito sonoro, uma reverberação nada agradável. Isso não há como resolver.

policarbonato

 

Veja como fazer a instalação e inclinação da cobertura

Esse é outro ponto delicado quando o assunto é a cobertura de policarbonato do pergolado. Há vários cuidados que nem sempre quem se dispõe a fazer domina. Por isso, é muito bom o próprio cliente ter noção do que deve ser feito para poder cobrar a melhor solução.

Claro que o ideal é fazer a obra apenas com profissionais e empresas especializados, que têm a expertise necessária para não deixar problemas futuros.

De qualquer forma, é preciso muita atenção à instalação da cobertura de policarbonato porque ela é diferente da de vidro, principalmente em relação à inclinação e à distância entre as vigas.

Para você ter ideia, a grande maioria dos fabricantes exige 10% de inclinação da cobertura para dar garantia no material. Isso já é um bom indicativo do quanto a questão é complicada.

Qualquer pequena diferença em relação à inclinação já implica na perda de garantia do fabricante.

Então imagine que um pergolado com 4 metros de “caída” tem que ter um desnível de 40 centímetros – e isso já prejudica muito a estética.

Esteticamente não vai ficar tão bonito quanto deveria, e se você vai ficar satisfeito com o resultado só vai poder saber depois de tudo pronto.

policarbonato

 

Conheça os dois problemas mais comuns

Basicamente, são dois os problemas mais comuns. Um deles, como você já deve ter percebido, é não respeitar a inclinação indicada pelo fabricante e haver perda da garantia.

O outro é não fazer a junta de dilatação de acordo com a espessura da placa de policarbonato. Elas têm tamanho padrão, mas a espessura pode variar. Quanto maior a espessura, maior o vão que vence por apoio.

Por outro lado, a dilatação varia de acordo com a espessura. Então mesmo que a placa tenha uma grande largura, é preciso cortar para fazer a junta de dilatação.

 

Dicas podem evitar dor de cabeça no futuro

São vários detalhes que podem prejudicar a instalação da cobertura de policarbonato. Por isso, ficar atento a essas dicas da Cobrire pode evitar bastante dor de cabeça no futuro.

 

Vidro ou policarbonato?

Com tantas informações, é comum bater a dúvida: afinal, o que é melhor, cobertura de policarbonato ou de vidro?

Para a Cobrire, o vidro é a melhor escolha. O material pode durar para sempre e o policarbonato tem uma vida útil de apenas 5 anos em média. Por isso, a compra compensa mesmo o vidro sendo mais caro.

Não esqueça: o tipo de vidro para cobertura de pergolado é sempre o temperado. Ele pode ser exatamente do tamanho do pergolado ou deixar um beiral passando um pouco da estrutura.

Outra vantagem é que há empresas de vidro em todas as regiões do Brasil. Mesmo assim, é preciso só comprar daquelas que tiverem experiência comprovada com o material e que garantia contra vazamento.

policarbonato

 

Manutenção

Antes de fechar negócio, verifique também se a empresa faz a manutenção da cobertura. Como é um serviço considerado “menor”, muitas empresas prometem, mas depois fogem da responsabilidade.

Esse é mais um motivo para você fugir de amadores, curiosos ou empresas com pouca experiência no assunto. É melhor pagar mais e ter garantias do que economizar agora e ter grandes gastos mais adiante.

 

Qualidade do silicone

Outro detalhe importante é o silicone usado para a vedação da cobertura de policarbonato.

Se não for bom, o prejuízo com o vazamento é muito maior do que a economia feita com um produto ruim.

O mercado oferece três tipos de selante, de acordo com seu mecanismo de cura. Por isso fique atento ao produto certo para o tipo de aplicação. Há os silicones estruturais, neutros e acéticos.

O problema é que há hoje uma grande quantidade de marcas de selantes de silicone, inclusive genéricas, de baixo custo e de procedência duvidosa.

Cuidado, porque na maioria absoluta dos casos, a economia não compensa. A qualidade da vedação é prejudicada e o silicone resseca, descola, racha e amarela, além de não resistir às altas temperaturas dos dias mais quentes.

Por isso é muito importante conferir o tipo usado com a empresa que vai fazer a instalação.

 

Cuidados com a água da chuva

Se acontecer de o pergolado ficar debaixo de outro telhado, como o de um segundo andar, é muito importante nunca deixar que a água do telhado de cima caia sobre a cobertura do pergolado.

Quando a água da chuva vem de um telhado com uma inclinação diferente da inclinação da cobertura, ela cai com muita força, o que faz com que acabe causando infiltração.

Para evitar que isso aconteça, cada telhado deve ter seu próprio sistema de condutores e calhas. Assim, a água do de cima pode ser direcionada para qualquer outro lugar, como um ralo, por exemplo.

Outra dica importante são as medidas de proteção da estrutura do pergolado. A Cobrire indica deixar um beiral de pelo menos 10 centímetros protegendo a ponta das vigas, evitando que a água escorra diretamente por ela. Assim você aumenta a durabilidade da madeira.

 

Inclinação da cobertura de policarbonato

Esse é um dado muito importante que todo consumidor deve saber: a inclinação da cobertura é 100% responsabilidade da empresa que vai fazer a instalação.

O ideal, aliás, é que essa responsabilidade esteja bem especificada no contrato para evitar que a empresa se exima do problema.

Como isso é bem comum, a definição da inclinação, a execução e a garantia sobre o serviço têm que ser da empresa que fizer a instalação e é imprescindível que isso esteja bem claro no contrato de prestação do serviço.

Caso contrário, como falamos mais acima, há o risco de perda de garantia do material se a inclinação estiver fora dos padrões do fabricante.

 

Pergolado inclinado ou em nível?

Outra dúvida bastante comum é se o pergolado deve ser construído com sua estrutura inclinada ou em nível. Para a Cobrire, o ideal é que sempre o pergolado esteja em nível – é a cobertura que deve ser inclinada.

É possível fazer o pergolado inclinado, acompanhando a inclinação da cobertura, mas esteticamente não é a melhor opção. A exceção é quando o pergolado é pequeno, com até cerca de 2 metros de queda d’água. No entanto, mais do que isso o pergolado fica parecendo um puxadinho.

Mesmo assim, para os pergolados pequenos a Cobrire costuma recomendar que o pergolado seja feito em nível sempre que possível, inclinando apenas a cobertura.

Existem técnicas para deixar o pergolado e a forração em nível e inclinar só a cobertura, a questão é que não são todas as empresas que as dominam.

 

Conheça as opções para as coberturas planas

Um pergolado de madeira tem funções múltiplas. Entre elas, fornecer um espaço agradável para a convivência, tornar a área de lazer ou a fachada mais bonita, valorizar a arquitetura original da casa, levar funcionalidade para áreas ociosas e valorizar o imóvel.

Para atender a todas elas, é preciso saber escolher a melhor técnica para a construção da cobertura plana. Há 4 delas, que variam de acordo com cada projeto. Veja quais são:

 

Cunha por cima das travessas

Nessa técnica, depois de fazer o pergolado de madeira em nível, uma viga de madeira é cortada em formato de “cunha” (triangular) para fazer a inclinação necessária. Essa peça deve ter a mesma espessura das travessas.

Por exemplo, se o pergolado tiver que ter uma queda de 20 cm de altura, a viga, também de 20 cm de altura, deve ser cortada na diagonal: dos 20 cm em uma das pontas até zero cm na outra ponta.

Geralmente isso é feito em todas as travessas, mas esse cálculo precisa ser feito pelo responsável pela cobertura – não por quem faz o pergolado.

Se não quiser que fique muito alto de um lado e menor do outro, basta dividir essa queda em duas águas, seguindo o mesmo princípio. A espessura da madeira deve ser a mesma, só que a inclinação fica para os dois lados, ou seja, o meio fica mais alto e as duas pontas mais baixas.

Essa técnica também é ideal para baixar um pouco a cobertura. Usando o exemplo acima, se em uma água é preciso de 20 cm de altura, em duas águas vai precisar de apenas 10 cm.

O interessante é que nessa opção o forro de bambu ou de palha fica no mesmo nível do pergolado, então quem estiver no ambiente interno vai ver tudo nivelado.

policarbonato

 

Cunha nas próprias travessas

O princípio é basicamente igual à técnica anterior, mas em vez de instalar a cunha em cima da travessa, a própria travessa já vem no formato de cunha na parte superior.

Assim, se o pergolado tiver que ter uma queda de 20 cm de altura, por exemplo, basta pegar uma viga de 40 cm de altura e cortar na diagonal: dos 40 cm em uma das pontas até a 20 centímetros na outra. Geralmente isso também é feito em todas as travessas.

Da mesma forma que a anterior, você também pode dividir essa queda em duas águas para não ficar muito alto.

Assim você também consegue baixar um pouco a cobertura, já que, nesse caso, se em uma água precisa de 40 cm de altura, em 2 águas você vai precisar de 30 cm, terminando com 20 cm nas pontas e 30 cm no meio.

Vale lembrar que todos esses cálculos têm que ser feitos sempre pelo responsável pela cobertura.

Também nessa opção o forro de palha ou de bambu fica no mesmo nível que o pergolado.

policarbonato

 

Estrutura de alumínio ou ferro

Nessa opção é feita uma nova estrutura de alumínio ou ferro para ser colocada por cima do pergolado já construído em nível, dando suporte e inclinando a cobertura.

A forração da cobertura também fica no mesmo nível do pergolado, então quem estiver lá dentro terá a percepção de estar tudo nivelado.

policarbonato

 

Pergolado já inclinado

Aqui a ideia é já construir o pergolado com a inclinação certa para instalação da cobertura. É a técnica menos utilizada pela Cobrire, porque o forro de palha ou de bambu vai seguir a inclinação do pergolado, então quem estiver lá dentro vai sentir esse desnivelamento.

policarbonato

 

Dica de segurança

No pergolado de madeira de uma água, a parte mais alta fica muito vulnerável à chuva e ao vento se não estiver encostada em alguma parede.

Já os pergolados no jardim ou na piscina costumam ficar isolados, sem encostar em nenhum muro ou parede.

Nesse caso, o lado mais alto do pergolado vai precisar de um acabamento ou proteção para não molhar o forro de bambu ou de palha. Nesses casos, uma boa solução é dividir o telhado em duas águas.

Depois do que você leu, o que você acha? Cobertura de policarbonato vale ou não a pena?

Venha se inspirar com nossos mais novos projetos pelo Instagram e aproveite para conhecer a Pergotelha, uma telha translúcida de alta performance e garantia de 10 anos.

 

Clique aqui para saber mais e não deixe de acompanhar nosso Blog para receber sempre dicas quentíssimas para sua área de lazer!